Kombuchá, uma bebida fermentada
com verdadeiro tchã
por Tom Valentine, em Search for Health Magazine
© Günther W. Frank  •  Genossenschaftsstr. 10  •  D-75217 Birkenfeld, Alemanha
Telefone (Código de país de Alemanha +49) 72 31 - 47 18 10  • 
E-mail frank@kombu.de • Eu falo o alemão e o inglês. Eu não falo o português.
Traduzido por Milton Kuhn - Blumenau - SC, Brasil •  E-mail miltonkuhn@brturbo.com

Fotos adicionadas por Günther W. Frank. Comentário por Günther W. Frank: O artigo de Tom Valentine (Search For Health, Volume 1, Número 6, Julho/Agosto de1993) trouxe o Kombuchá para os Estados Unidos em 1993. Desde então esta antiga bebida espalhou-se por toda parte nos Estados Unidos.


Uma coisa antiga veio à América, e você precisa conhecê-la, assim poderá prevenir doenças como o câncer e a artrite, de modo a proteger a saúde de sua família simplesmente bebendo esta tradicional bebida caseira, chamada Kombuchá, para desintoxicar e energizar seu corpo.

Aqui estão alguns comentários de médicos que investigaram o Kombuchá a partir de 1920:

"O Dr. Maxim Bing (1928) recomenda a "esponja de Kombuchá" como um "meio muito eficaz de combater o endurecimento das artérias, gota e preguiça intestinal. Usando uma cultura recente um efeito muito favorável começa a se efetivar, o qual, no caso de endurecimento das artérias, se expressa por uma queda da pressão arterial, cessação de sensações de ansiedade, irritabilidade, dores, dores de cabeça, tontura, etc. A lentidão dos intestinos e seus sintomas concomitantes também podem ser melhorados rapidamente. Resultados particularmente favoráveis são obtidos em casos de endurecimento dos rins e dos vasos capilares do cérebro, enquanto que o endurecimento de vasos cardíacos é menos favoravelmente influenciado."

O Dr. E. Arauner (1929) diz que "a cultura do Kombuchá tem sido usada por centenas de anos pelo povo asiático de sua terra natal em razão de seu surpreendente sucesso como o mais eficaz remédio popular para fadiga, lassidão, tensão nervosa, sinais incipientes de envelhecimento, endurecimento das artérias, lentidão dos intestinos, gota e reumatismo, hemorróidas e diabetes."

Um testemunho mais atual de uma mulher da Holanda é como segue:

"Estive sofrendo de esclerose múltipla desde 1982. Agora tive bons resultados com Kombuchá. Este possui um efeito desintoxicante sobre o corpo. Comecei a tomar o chá em 1989. Naquele tempo eu podia apenas caminhar alguns metros fora de casa, apoiando-me pesadamente sobre duas bangalas, e minha condição estava piorando visivelmente. Agora posso sair novamente por 20 minutos, sem bengalas - e não estou mais cansada. O resultado de um exame médico foi a renovação do certificado de habilitação para uma licença para direção de veículos. Vou até tentar de novo praticar um pouco de ski este ano (1992). Com uma cultura de Kombuchá você pode preparar seu próprio remédio natural por toda sua vida. Espero que este relato contribua para que outras pessoas experimentem uma melhora em seu estado de saúde através do Kombuchá."

Produtos saudáveis da fermentação

Agora que temos seu interesse, aqui está toda a história: A fermentação é o processo de induzir uma modificação química num composto orgânico complexo pela ação de uma ou mais enzimas produzidas por micróbios. Este processo serviu a humanidade desde o alvorecer da civilização e mesmo em nossa era de maravilhas tecnológicas, alguns simples fermentos dados por Deus continuam a servir a saúde humana muito mais efeciente e economicamente do que todas os medicamentos e compostos complexos no arsenal da ciência moderna.

Em Search for Health (Busca pela Saúde) ficamos fascinados por produtos da fermentação e o modo como podem ser usados para melhorar a fisiologia e o metabolismo humanos. Por exemplo, sabemos por muito tempo que o ácido láctico é um produto das amistosas bactérias lactobacillus acidophilus, assim como faz parte do metabolismo humano. Por esta razão tivemos um grande interesse no ácido láctico, especialmente nos benefícios para a saúde do bom (+)ácido láctico em oposição ao ruim (-)ácido láctico, assim como nos outros saudáveis produtos da fermentação. O ácido láctico foi abordado em nossa edição de março/abril de 1993 e atualizado nas edições de maio/junho e julho/agosto.

Uma coisa antiga chegou até nós

Tendo em mente nosso interesse de longo curso, você pode prontamente ver porque nós ficamos muito excitados quando um assinante nos contou a respeito de uma bebida feita dos fermentos de um "antigo fungo do chá manchu" e nos enviou uma cultura viável pelo correio.

Apesar de ter sido novo para nós, e será novo para a maioria de vocês, o "Kombuchá" não é novo de forma nenhuma - é verdadeiramente antigo. De fato o nome deriva do nome de um médico Coreano, Kombu, que foi chamado para tratar o Imperador Japonês Inkyo nos idos do ano 415 da nossa era, aproximadamente.

Durante os passados três meses nós produzimos e experimentamos pessoalmente a bebida do Kombuchá que é conhecida por muitos nomes na Europa e na ásia. Por exemplo, é chamada de Kvass em partes da Rússia. Também importamos e tornamos disponíveis dois livros, originalmente escritos em alemão, mas agora em inglês, que provêem amplos detalhes a respeito deste surpreendente tônico fermentado e estamos continuando a pesquisar e aprender.

Os dois livros são: "Kombuchá, Bebida Saudável e Remédio Natural do Extremo Oriente", por Günther W. Frank (150 páginas) e "O Fungo do Chá Kombuchá, O Remédio Natural e seu Significado em Casos de Câncer e Outras Doenças Metabólicas", por Rosina Fasching (60 páginas). Os livros são publicados na áustria. Informação sobre como comprar estes livros de "Search for Health" é encontrada na página 40.

O livro de Günther Frank é detalhado e muito objetivo. Êle pesquisou exaustivamente a literatura disponível e lista as diferentes opiniões sobre como melhor fazer a bebida e os cuidados a serem dispensados às culturas que foram passados através dos séculos.

Ficamos satisfeitos com o tratamento exaustivo das muitas variáveis e opiniões sobre o Kombuchá.

Enquanto êle descreve um número de noções sobre a preparação do Kombuchá, êle também informa o leitor como melhor preparar a bebida para propósitos terapêuticos. No entanto, ao mesmo tempo Frank não promoveu o Kombuchá como uma panacéia, coisa que alguns outros estão tendendo a fazer.

Rosina Fasching delineia o trabalho clínico de seu distinto tio, o médico Dr. Rudolf Sklenar, que melhorou muitos pacientes clinicamente doentes usando a bebida do Kombuchá como terapia principal.

Kombuchá converte chá e açúcar
numa saudável, nutritiva e desintoxicante bebida

Nossa pesquisa já nos conta que, apesar de ser uma bebida notável, promotora de saúde, impulsionadora do sistema imunológico, o Kombuchá não é uma panacéia e as pessoas não deveriam esperar milagres apesar de que algumas poucas curas "aparentemente" milagrosas vão ocorrer com certeza em indivíduos cujos corpos respondem rapidamente ao hábito de fermentar e beber Kombuchá.

O "fungo"do Kombuchá converte chá preto e açúcar branco numa bebida saudável. Isto mesmo, "chá preto e açúcar" são o alimento para esta cultura. Uma vez que o açúcar branco é proibido em nossa casa e nós bebemos somente o chá verde orgânico, nossos primeiros pensamentos a respeito da viabilidade desta bebida tradicional foram negativos. No entanto, quando notamos que dois dos metabólitos essenciais da fermentação do chá e do açúcar pelo Kombuchá eram o ácido glucurônico e o bom (+)ácido láctico assim como um conjunto equilibrado de todas as vitaminas do complexo B, permitimos açúcar em nossa casa e fomos ao trabalho preparando lotes de chá preto adoçado.

A quantidade potencialmente grande do ácido glucurônico na bebida é especialmente excitante para nós, assim como foi para os cientistas soviéticos e pesqisadores do câncer nos últimos anos de Joseph Stalin - uma história que vamos contar a seguir. O ácido glucurônico não é sintetizável comercialmente com facilidade, mas o fígado humano saudável faz uma grande quantidade dele para desintoxicar o corpo. No fígado o ácido glucurônico sequestra todos os venenos e toxinas tanto ambientais quanto metabólicos e os despacha ao sistema excretório. Toxinas, uma vez sequestradas pelo ácido glucurônico, não podem ser reabsorvidas pelo sistema, consequentemente estamos livres delas.

Substâncias prejudiciais são eliminadas

Günther Frank expressou-se deste modo em seu livro: "Em minha opinião, os bons efeitos observados que o Kombuchá tem sobre gota, reumatismo, artrite, etc., podem, provavelmente, ser explicados pelo fato de que substâncias prejudiciais depositadas no corpo são tornadas hidrossolúveis, através da conjugação com o ácido glucurônico contido na bebida, e tornadas passíveis de serem passadas pelos rins e eliminadas pela urina. Por conjugação, que é uma espécie de biotransformação, substâncias exógenas e endógenas são ligadas ao ácido glucurônico como glucuronídeos, que também são chamados ácidos glucurônicos conjugados."

Será que as pessoas precisam de Kombuchá? A questão é: será que as pessoas hoje em dia possuem fígados saudáveis? Nós destacamos repetidamente, e o autor Frank o destaca em seu livro sobre Kombuchá - pode alguém estar certo de que seu fígado é saudável e funcionando adequadamente nestes tempos de alta poluição e toxicidade combinadas com alimento contaminado e muita tensão? Frank expressou-se deste modo: Um fígado que produz suficiente ácido glucurônico "torna-se crítico quando o ambiente contém quantidades excessivas de substâncias tóxicas circulando livremente ou quando quantidades excessivas de toxinas endógenas do metabolismo (de medicamentos, álcool e lixo alimentar) se acumulam no corpo."

O americano moderno, vivendo num ambiente urbano poluído, bebendo, cozinhando com, e banhando-se em água de torneira quimicamente poluída de qualidade pobre, comendo lixo alimentar, igualmente poluído, que por sua vez é cultivado em solos exauridos, está literalmente sobrecarregando seu fígado.

E nem mencionamos o fumo, o consumo de álcool, drogas, antibióticos ou amálgama de mercúrio de obturações dentárias! De qualquer modo, é penosamente óbvio que desintoxar é da maior importância ao modernos americanos, e a bebida do Kombuchá parece oferecer uma abundância do desintoxante-chave, o ácido glucurônico.

Uma surpreendente estória sobre pesquisadores soviéticos do câncer

Em seu livro, Frank relata uma surpreendente mas verdadeira estória a respeito dos pesquisadores soviéticos do câncer nos anos cruciais antes da morte de Stalin em 1954.

Imitando as táticas policiais da KGB, pesquisadores soviéticos do câncer determinaram descobrir porque, onde e como esta doença apavorante tinha aumentado tão dramaticamente após a segunda guerra mundial. Usando as técnicas de integridade feitas infames pela KGB, os pesquisadores soviéticos analisaram a epidemiologia do câncer de comunidade em comunidade nos mínimos detalhes - tomando em consideração detalhada todos os fatores ambientais.

Lá no meio de terríveis estatísticas de câncer dois distritos na região de Penn no rio Kama no centro-oeste dos Montes Urais se destacaram como lâmpadas de neon. Os distritos de Ssolikamsk e Beresniki mal tinham algum caso de câncer relatado, e aqueles poucos com câncer geralmente eram pessoas que tinham se mudado recentemente para a área vindos de outras partes.

Como explicar? Condições ambientais não eram melhores do que em outros distritos - efetivamente a região possuía minas de potássio, chumbo, mercúrio e amianto com instalações de produção vomitando uma abundância de poluição. De fato as árvores da área e os peixes em Kama estavam morrendo.

Ao modo típico da KGB, duas equipes de investigadores científicos foram constituídas, uma em Ssolikamsk, a outra em Beresniki. Eles sondaram a vida privada, investigaram e analisaram. Ao final eles estavam diante de um enigma. Günther Frank descreve em detalhe como as pessoas destes dois distritos bebiam tanta vodka como os outros russos, mas não pareciam possuir os problemas da embriaguez social nem a pobre atitude em relação ao trabalho geralmente associada com a bebida. O problema era achar uma explicação para este curioso estado de coisas.

É "chá kvass", afirmou a velha babuchka

Então aconteceu que um dos líderes das equipes científicas visitou pessoalmente a casa de uma família selecionada para ser estudada. Era um dia quente de verão e a família estava fora - somente uma "babuchka" idosa estava em casa.

A mulher ofereceu ao Dr. Molodyev uma bebida refrescante. Este perguntou do que se tratava. Ela respondeu que era "chá kvass". O doutor sabia de um "kvass" que era fermentado a partir do pão ("Brottrunk": fermentação de pão de centeio que mencionamos em edições anteriores).

O "kvass" de pão russo é uma cerveja fraca, levemente ácida, feita de farinha de centeio e malte, farelo e farinha, ou de pão integral e maçãs, que são deixados a fermentar em água à qual vários outros ingredientes são adicionados. O ácido contido no "Kvass" russo é principalmente ácido láctico. A receita para "kvass" de pão de centeio está aqui .

Mas o Dr. Molodyev nunca havia tomado conhecimento deste produto particular chamado "chá de kvass". Molodyev inquiriu e aprendeu da "babuchka" tudo a respeito do "vinho de chá" feito da "esponja do chá".

A "coisa esponjosa de cogumelo" flutuando no chá adoçado não era exatamente apetitosa ao olhar, mas, como a mulher explicou: a bebida era muito saborosa e "muito saudável, fácil de digerir, e além do mais, é de graça!"

A coisa esponjosa parecia feia, mas a bebida era saborosa

Aconteceu que o Dr. Grigoriev em Beresniki também tropeçou no "chá-kvass", quase ao mesmo tempo e, em pouco tempo ficou confirmado que, mal havia uma casa na região sem as tralhas de fermentação de "kvass" ou Kombuchá.

"Aqui estava uma bebida popular barata e benéfica. Mesmo alcoólatras bebiam grandes quantidades dela antes, durante e depois de beber álcool. O impressionante era que após consumir grandes quantidades de álcool, os bebedores dificilmente mostravam algum sinal de embriaguez. Ilicitudes e acidentes - tanto na rua como no trabalho - causados pelo consumo de álcool eram extremamente raros," constataram os pesquisadores soviéticos. "O consumo de álcool e fumo era antes maior nas áreas investigadas do que em outras regiões da URSS."

O Instituto Bacteriológico Central de Moscou determinou que eles estavam lidando com "o pouco conhecido Kombuchá, ou a espoja japonesa do chá." Os cientistas determinaram além disto que a cultura do cogumelo esponjóide era de fato uma massa gelatinosa formada por "excrescências" simbióticas da "bacterium xylinum" e depósitos nidiformes de células de fermento do gênero Saccharomyces. A esta simbiose, escreve Frank, "também pertencem Saccharomyces ludwigii, Saccharomyces dos tipos apiculatus; Bacterium xylinoides, Bacterium gluconicum, Schizosaccharomycespombe, Acetobacter ketogenum, tipos de Tórula, Pichia fermentans e outros fermentos."

Os biólogos soviéticos decidiram que o "fungo do chá" não era um "fungo, mas um líquen". Apesar de um dos produtos da fermentação ser um "antibiótico liquênico", Frank discorda e afirma o seguinte: "Um líquen é uma simbiose de algas e fungos, e requer luz como fonte de energia para produzir a clorofila pela fotossíntese, uma característica típica das algas. O Kombuchá, por outro lado, se desenvolve mesmo no escuro, precisamente por não conter componentes de algas."

Em seu livro, Frank entra em detalhes sobre os micróbios e a bioquímica numa linguagem fácil de entender.

O seu conto sobre os pesquisadores soviéticos do câncer também mergulha na fascinante política da URSS nos anos finais de Joseph Stalin, e liga esta pesquisa do câncer à intriga da hierarquia soviética ao tempo da morte de Stalin. Esta estória vale o preço do livro, mas o Kombuchá é muito, muito mais.

Diz-se que o Kombuchá é parte essencial no programa nutricional
de combate ao câncer do ex-presidente Ronald Reagan

No mesmo capítulo ficamos sabendo, da fonte soviética de Frank, que o ex-presidente Ronald Reagan foi informado dos benefícios do Kombuchá e que êle fez dele uma parte de seu regime pessoal depois que o câncer foi diagnosticado em seu corpo. Esta intrigante peça de informação não é surpreendente quando nos damos conta de que persistem estórias de que o ex-presidente também foi aconselhado a tomar beta-caroteno na forma de vitamina A emulsionada e Wobenzimas, ambas da Alemanha. O fato é: Ronald Reagan está forte hoje, e êle foi diagnosticado como tendo câncer muitos anos atrás. Talvez êle tome Kombuchá regularmente.

Foto à esquerda: Günther W. Frank (à direta), autor do popular livro "Kombuchá - Bebida saudável e Remédio natural do Extremo Oriente" tem uma conversa bem humorada com a imagem de cera de Ronald Reagan num museu de Londres. O autor disse que o ex-presidente não comentou se tomou a bebida do Kombuchá como foi relatado. Frank recebeu uma carta dos Reagan, mas eles nem confirmaram nem negaram que usam pessoalmente a tradicional bebida fermentada.

Independentemente da intriga Reagan, a experiência soviética é parte do grande corpo de evidência documental de que a bebida feita da fermentação de chá e açúcar através do Kombuchá é, de fato, um dramático incentivador do sistema imunológico e desintoxicador do corpo. Em nossa nação e no nosso tempo presente, nossos corpos certamente necessitam muito de ambos - incentivo imunológico e desintoxicação. Isto é essencialmente o motivo pelo qual estamos tão excitados a respeito das perspectivas do Kombuchá aqui na América e porque "Search for Health" vai se esforçar em propagar a palavra e as culturas tão amplamente quanto possível.

O Kombuchá se reproduz a cada lote

Uma vez que você tenha uma cultura trabalhando em cerca de três litros de chá adoçado, você vai dobrar o número de culturas em sua posse com cada lote de produção. Correto. Você está lidando com um processo vivo que se reproduz. Uma vez que uma cultura robusta tenha produzido um lote de bebida, o que leva entre 8 a 14 dias dependendo de vários fatores, inclusive gosto pessoal e valor terapêutico potencial, a cultura se terá duplicado no processo. Agora você tem duas culturas. Mais duas semanas e você tem quatro, e assim vai.

Em breve você pode estar coberto de culturas de Kombuchá - no final não haverá suficientes parentes e amigos para dar-lhes uma cultura também! É por isto que a velha "babuchka" disse que era "gratuita" a saudável bebida.

Saquinhos ordinários (Lipton) de chá funcionam, no entanto preferimos o chá Oolong orgânico e o chá verde orgânico. (Sim, Frank nos conta como fazer a bebida com chá Verde e chás de ervas também. No entanto a cultura do Kombuchá não se dá bem com chás de frutas ou em chás que possuam óleos essenciais. Os detalhes estão no livro.)

Nós começamos com uma cultura redonda que veio como presente de nossos assinantes no Arizona, então recebemos duas peças retangulares de cultura de Günther Frank. No momento temos 16 "cogumelos" muito robustos e está dificil de arranjar recipientes para outra rodada. Simplesmente jogamos fora várias culturas que não pareceram robustas e saudáveis - elas fazem um excelente composto ou você pode jogá-las no liquidificador e fazer um creme para a pele.

Você está lidando com um processo vivo

Você vai descobrir que fazer a bebida do Kombuchá é um processo natural e por isto pode ser inconsistente. Às vezes uma cultura pode não se reproduzir apropriadamente.

Por outro lado, descobrimos que a fermentação do Kombuchá é muito mais consistente do que um "starter" de pão de centeio feito do zero. Isto ocorre porque os micróbios da "panqueca" do Kombuchá formam uma simbiose relativamente segura e resistente, enquanto que o "starter" é derivado dos micróbios que estão no ar.

Do nosso ponto de vista o Kombuchá não é realmente "esponjoso" porque não é delicado e poroso. É mais parecido com uma panqueca com características de borracha porque o fermento cobre a massa com uma pele lisa e uniforme.

Com relação à preocupação com o açúcar refinado, que todas as pessoas cônscias da saúde expressam, Frank fornece esta nota: "Leve em conta que após um período de 14 dias de fermentação normal somente permanecem na bebida 3 gramas de açúcares simples (monossacarídeos) por 100 gramas de chá de Kombuchá."

Fazer a bebida é fácil

Fazer a bebida é uma coisa muito fácil. Notamos que algumas versões da estória do Kombuchá insistem que há somente uma maneira de fazê-lo ou senão o diabo vai te pegar. Por exemplo, disseram-nos que deveríamos usar somente açúcar marrom - não o marrom escuro nem o branco, nem mesmo o não refinado. Frank ressalta que o açúcar branco de fato funciona melhor para a cultura. Frank não tem tabus contra o uso de recipientes de aço inoxidável, mas como qualquer um que advoga saúde, desaconselha o alumínio.

Fomos aconselhados a usar vidro ou cerâmica e nunca tocar a cultura ou líquido com utensílios metálicos. Pensamos que era um bom conselho porque vidro e cerâmica estão aí por milhares de anos e o aço inoxidável não. Preparamos o chá em recipientes de pyrex e o fermentamos em jarras de vidro de boa qualidade. O livro de Frank dá descrições detalhadas sobre a maneira de fazer Kombuchá e informação adicional vem com qualquer ordem que êle envie da Alemanha.

O gosto da bebida fermentada varia de suco de maçã doce a vinagre de sidra de maçã. Quanto mais gosto de vinagre, tanto mais ácido é. Algumas pessoas preferem o azedo ao suave. As variáveis são controladas pelo tempo de fermentação assim como a quantidade de açúcar e chá usado num lote. Além disto a fermentação continua mesmo depois que a bebida está engarrafada e colocada no refrigerador.

No momento ainda não encontramos um laboratório capaz de nos dar análises do ácido glucurônico e outros metabólitos da bebida que fizemos. Quando obtivermos resultados, vamos mantê-los informdos.

O Kombuchá melhora os robustos
processos naturais de oxidação celular

Os benefícios saudáveis de beber o Kombuchá diariamente são provavelmente devidos aos efeitos de acidificação, limpeza e desintoxicação. Em seu livro, Rosina Fasching conclui que a natureza de "combatente do câncer" da bebida está em sua habilidade em retornar os sistemas do corpo ao seu robusto estado natural. Ela dá crédito às teorias desenvolvidas por Günther Enderlein para explicar como ocorre a destruição do "terreno" necessário aos micróbios promotores do câncer para crescer, reproduzir e causar problemas. Limpando e corrigindo o pH do "terreno" a bebida do Kombuchá estimula os robustos processos naturais de oxidação celular. A escola Enderlein de pensamento afirma claramente que esta proteção do "terreno" interior do corpo pode ser realizada somente por meios naturais - não por drogas modernas.

A Sra. Fasching, como muitos pesquisadores hoje, notaram que mesmo Louis Pasteur, que foi o pioneiro da teoria germinal da doença, admitiu no final que "o micróbio não é nada, o terreno (ambiente) é tudo".

"O fungo do Kombuchá cresce num ambiente ácido e portanto elimina ou retarda, em seu desenvolvimento, o micróbio primitivo causador do câncer que se desenvolve num meio alcalino e portanto torna-o ou o mantém inofensivo ao homem. O tratamento do câncer assim como de estágios pre-cancerosos, inclusive tumores, tem uma explicação simples: fungo contra fungo!"

Esta pode, ou não, ser uma explicação científica viável para a razão porque o Kombuchá parece retardar o câncer. Podemos apenas presumir que a experiência soviética atesta a favor das qualidades preventivas do câncer. Também podemos reivindicar das autoridades uma verificação cabal e honesta da tese de Enderlein.

Também há esta peça de informação da tradição de preservação de alimentos relatada por Frank: "Os ácidos têm um efeito preservativo ao produzirem, nos alimentos a serem preservados, um valor de pH que certos micróbios não podem mais tolerar, em particular aqueles que criam toxinas... Até um certo ponto a bebida do Kombuchá se preserva a si mesma. Quaisquer organismos alienígenas são reprimidos através dos ácidos que produz."

Os fermentos do Kombuchá combatem a Cândida, não a encorajam

Uma vez que o Kombuchá é chamado de "cogumelo" por muitas pessoas e de "fungo" por outras, e uma vez que êle é um fermento assim como uma bactéria, existe aqueles que vão prevenir todas as vítimas da "candida albicans" - aqueles com candidíase crônica - a ficarem longe do Kombuchá.

"Não é assim!" Gritou Günther Frank quando lhe perguntamos a este respeito. Êle argumentou que o Saccharomyces é um fermento que não possui esporos e portanto não pertence à família da cândida, deste modo êle pode ser de fato antagônico ao problemático fermento que infecta tantas pessoas.

Frank explicou: "Enquanto a maioria dos Ascomicetes tais como a penicilina, cravagem, mofo do pão, míldio, afta(cândida) e outros se reproduzem por meio de esporos, a maioria dos fermentos se reproduzem vegetativamente por meio de gemação. Além disto existe a combinação da gemação e fissão. Os fermentos de fissão se reproduzem por meio de fissão como as bactérias, eles não gemam nem possuem esporos. O fermento de fissão "Pombe" da cultura do Kombuchá pertence a este tipo."

Antigo fermento com uma promessa saudável

A vasta variedade de benefícios à saúde atribuída ao Kombuchá através dos muitos anos de sua existência são descritos no livro de Frank. Repetimos uns poucos aqui:

"Bacinskaya já havia estabelecido em 1914 que a bebida era eficaz em regular a atividade do trato intestinal. O autor recomendava tomar um pequeno copo antes de cada refeição, aumentando as quantidades gradativamente.

Prof. Rudolf Kobert, Conselheiro Privado, (1917-18) lembrou que uma cura infalível para o reumatismo era preparada com a cultura do Kombuchá.

Prof. Wilhelm Henneberg também escreve que uma bebida preparada por meio da cultura do Kombuchá, chamada chá-kvass - na Rússia, tem a fama de ser um meio de combater todos os tipos de doença, especialmente constipação.'

De acordo com o Dr. Madaus em "Método Biológico de Cura", 1927, a cultura do Kombuchá e seus produtos metabólicos têm um efeito excelente na regeneração das paredes das células e é por isto um excelente remédio para o "endurecimento das artérias." Já citamos os Drs. Bing e Arauner no começo desta exposição.

Muitos contos de benefícios à saúde

Então existem os testemunhos modernos do Kombuchá que tomam várias páginas em seu livro. Aqui está um exemplo:

15 anos de idade da Holanda: "A miséria começou quando eu tinha 10 anos e durou 4 anos e meio. A princípio a coceira começou em meus braços, e eu coçava até sangrar, especialmente na cama à noite ... após seis semanas fui ao médico. Recebi um tratamento à base de penicilina e pomada, porque um braço estava inflamado de tanto coçar. Isto durou cerca de ano e meio. Continuava a receber pomada, uma após a outra e o mesmo acontecia com a penicilina. Finalmente tive que ir a um especialista no hospital.

"O médico falou de alguma bactéria intestinal que era a causa do problema. Então me deram mais medicação que fez sentir-me entorpecida, mas a coceira permaneceu... agora, nos últimos seis meses, a minha mãe está fazendo chá de Kombuchá. Comecei a tomá-lo imediatamente, e após apenas uma semana a coceira despareceu. Me sinto como renascida. Mesmo as cicatrizes dificilmente são vísiveis. Gostaria de contar a todo mundo para parar de tomar medicamento e beber Kombuchá."

O Kombuchá pode desempenhar um papel importante
na economia doméstica saudável

Em "Search for Health" nós compartilhamos o sentimento contido na declaração da mulher da Holanda citada no começo - gostaríamos de ver milhões de americanos experimentar uma melhora em seu estado de saúde, e o Kombuchá é outra poderosa arma no arsenal de cada um.

No entanto, há uma advertência. Aprendemos com nossas experiências com Essiac e Pau d'Arco ou Taheebo - fenomenais remédios de ervas de tempos passados ou de culturas primitivas - que as coisas não funcionam do mesmo modo no nosso moderno, poluído e agitado mundo como eles têm a reputação de terem funcionado historicamente - o Kombuchá possui excelentes ácidos e nutrientes a oferecer, mas não espere que seja permitido continuar um estilo de vida doentio com impunidade. Você não pode ignorar nutrição, fumo, bebida e abuso de seu corpo e então esperar que o Kombuchá dê um jeito para você. Não é assim que funciona. O Kombuchá pode certamente tornar-se um ator importante no lar saudável mas não espere que êle ressuscite qualquer um dos mortos. Não é um milagre, é uma bebida de um processo de fermentação natural e saudável.

Outra coisa - pouco conhecimento pode ser uma coisa perigosa. Assim, antes que você comece a experimentar com uma cultura, leia os dois livros e compreenda o que você está fazendo. Isto vai pagar tremendos dividendos. Encontramos um monte de desinformação circulando a respeito do Kombuchá, é por isto que contactamos a Alemanha e fizemos nossa pesquisa.

Estamos esperando de vocês muitas cartas ao editor, contando-nos como o Kombuchá ajudou a melhorar sua saúde.


O Jornal do Kombuchá está em 27 línguas :
Escolha sua língua - Choose your language
- Wählen Sie Ihre Sprache - Choisissez votre langue:
[Englês]    [Alemão]    [Francês]   [Espanhol]    [Italiano]   [Holandês]    [Norueguês]   [Dinamarquês]   [Sueco]    [Português]   [Slovaco]    [Tcheco]    [Esloveno]    [Hebraico]    [Iraniano]   [Esperanto]   [Croata]   [Finlandês]    [Romeno]   [Húngaro]   [Grego]   [Indonésio]   [Búlgaro]   [Ucraniano]   [Coreano]   [Polonês]   [Russo]


Günther W. Frank
Genossensch.-Str. 10
75217 Birkenfeld im Schwarzwald
Alemanha

© Copyright Günther W. Frank 1996. É dada a permissão para copiar livremente este documento em forma eletrônica, ou em forma impressa se a publicação é distribuiída gratuitamente, desde que seja copiado integralmente sem modificação e créditos apropriados sejam incluídos. Na WWW, no entanto, você deve apontar para cá em vez copiá-lo. Qualquer outro uso requer permissão expressa pelo autor.


Mailinglist Dúvidas sobre o Kombuchá? Cadastre-se na nossa lista de discussao mandando uma mensagem em branco para: grupokombucha-subscribe@yahoogrupos.com.br

       Retorno à página principal em Português  

       Retorno à página principal multilíngue

Günther W. Frank - frank@kombu.de
URL desta página: http://www.kombu.de/port-5.htm (The Kombucha Journal)

• Impressum •